Alcoolismo em mulheres e homens, as diferenças

Alcoolismo em mulheres e homens, as diferenças

As dependências que continuam a devastar a vida de muitos seres humanos não se manifestam da mesma forma em toda a gente. Géneros à parte, cada um de nós é diferente e tem a sua maneira de reagir às situações. Acontece com todos os tipos de drogas. Isso depende não só da constituição de cada um mas também do vício que o corpo e a mente já tem nessa determinada droga. No entanto, apesar de todos nós sermos diferentes, há semelhanças em alguns tipos de manifestações que o álcool provoca. E é aqui que podemos falar das diferenças no alcoolismo em mulheres e homens.

O consumo de álcool no passado e no presente

Até à chegada do século XX que o álcool era maioritariamente consumido pelos homens, apesar de ser livre. E principalmente as classes mais ricas tinham uma especial interacção com certos tipos de álcool que nem todos poderiam ter. Apesar de ser uma droga, os níveis de dependência eram baixos, porque o preço do álcool não era acessível a toda a população.

Hoje em dia, as coisas mudaram de figura e o acesso ao álcool está cada vez mais facilitado. Com a viragem do século, a mulher tornou-se cada vez mais independente e obteve parte dos direitos humanos por que lutou durante anos a fio. Isso trouxe-lhe um nível de vida igual ao dos homens, tanto a nível de trabalho como de lazer.

Para além disso, a revolução fez com que o trabalho fosse cada vez mais competitivo, levando ao stress e à procura de refúgios, como é o caso do álcool. Estas e muitas mais razões levaram ao consumo excessivo de álcool cada vez mais cedo. E entrada cada vez mais frequente de jovens nas universidades, leva a que o início da dependência surja muito mais cedo, tanto nos homens como nas mulheres (hoje em superioridade nas universidades portuguesas).

Tempo de recuperação e taxa de mortalidade

Apontadas as razões, vamos saber quais são as diferenças que o alcoolismo tem nas mulheres e nos homens. Um estudo revela que as mulheres com uma dependência em bebidas alcoólicas, passam mais tempo nos centros de recuperação do que os homens. Este facto deve-se essencialmente à fisiologia da mulher, mais frágil do que a do homem, logo, leva mais tempo a recuperar.

Para além disso, as mulheres são mais afectadas na esperança média de vida do que os homens. Dados revelam que a taxa de mortalidade anual é 4,6 vezes maior para as mulheres com problemas de alcoolismo do que as mulheres no geral. No caso dos homens, a taxa de mortalidade é apenas 1,9 vezes maior.

Efeitos para a saúde do excesso de álcool nos homens e nas mulheres

Em termos biológicos, a mesma quantidade de álcool ingerida pela mulher e pelo homem do mesmo peso e estatura irá produzir mais concentração de álcool no sangue da mulher. O excessivo consumo de álcool está associado ao aparecimento de cerca de 60 tipos de doenças, sejam homens ou mulheres. No entanto, estudos nos últimos anos revelam que pode haver uma ligação entre o alcoolismo nas mulheres e os excessivos casos de cancro da mama. Estes estudos indicam que o consumo de 10 g de álcool por dia aumenta o risco de cancro da mama.

Infelizmente, por razões de preconceito dentro da sociedade, ainda há mulheres que escondem a dependência para não serem julgadas, enquanto que esta situação num homem é encarada com naturalidade. Para além disso, a dependência alcoólica nas mulheres leva a distúrbios psicológicos, como a depressão, síndrome de pânico e até distúrbios alimentares, o que nos homens é mais raro.

Veja também:

Uma resposta para “Alcoolismo em mulheres e homens, as diferenças”

  1. O Grupo de Recuperação é uma empresa de referência nacional com grande experiência no direcionamento, auxílio, tratamento e encaminhamento para internação de dependentes químicos, além de oferecer todo suporte necessário aos familiares.
    http://www.grupoderecuperacao.com.br

Deixe uma resposta